Inicio | Apresentação | Programação | Mini-Cursos | Oficinas |Simpósios Temáticos

Voltar


Simpósio Temático 11

Título: Espaços Sagrados: festas, cotidiano e práticas religiosas.
Proponente: Edianne dos Santos Nobre (UFRN)

Resumos:

 

Autores: Jose Carlos Ferreira Pereira; Henrique Barbosa
O reavivamento da crença em rezadeiras do município de Porteiras – CE de 2000 a 2008


No municipio de Porteiras-Ce um movimento chama a atenção por ir na contra-mão do que acontece atualmente com a maioria das práticas pertencentes à cultura popular. É o grande aumento da procura de rezadores.
Apesar de ser esta uma das práticas religiosas mais antiga que se tenha notícia, sua procura de forma geral está cada vez menor, devido ao grande avanço que a medicina vem obtendo para a cura dos mais diversos males que aflingem os seres humanos.
Procuro neste trabalho entender o porque deste movimento e ao analisar esta prática religiosa, encontrar explicações que justifiquem a grande fé e a confiança que muitas pessoas tem na figura do rezador, procurando ainda saber como estes seres que possuem o dom da cura realizam suas atividades junto a comunidade, mantendo seus rituais, que apesar de estarem enraízados principalmente na cultura indígena e na cultura africana tem um vínculo muito forte com o catolicismo.


Autora: Sara Cavalcante Moreira
Uma análise sócio-religiosa das renovações do Sagrado Coração de Jesus no Cariri cearense


Erguemos nossa pesquisa no terreno da religiosidade popular, tendo como foco principal as Renovações do Sagrado Coração de Jesus (celebrações domésticas que acontecem uma vez por ano nas casas das famílias que já entronizaram o quadro do Sagrado Coração de Jesus na sala de seu lar). O lugar que acontece essas manifestações religiosas é a família- templo sagrado onde o ato è movido por um espírito religioso, tradicional e ritualístico. A comunidade inteira atua na realização desse acontecimento religioso que na mistura do Sagrado (o culto, a reza) e do profano (a festa com comes e bebes) reveste a vida daqueles que participam de um novo sentido. No Cariri, o Padre Cícero, formado pelos lazaristas franceses, no seminário de Fortaleza, logo que chega a Juazeiro, em 1872, infunde a nova devoção junto aos “romeiros da Mãe de Deus”. A princípio o culto se restringia as solenidades no templo. Quando ele cria o Apostolado da Oração em 1888, orienta as famílias a entronizarem nas suas casas a imagem do Sagrado Coração de Jesus e anualmente renovarem o acontecimento juntamente com todas as pessoas da comunidade. Analisaremos a vivência dessa prática religiosa e sua significação, abordando seu valor cultural e sócio-religioso bem como a mística de uma tradição que se perpetua no passar das gerações e se atualiza nos nossos dias.
Palavras-chave: Religiosidade popular. Cultura. Devoção. Sagrado


Autores: Ossian Soares Landim; Iranilson Buriti
“Alto lá, senhores protestantes”. A presença protestante no Cariri católico – 1936-2006.


A presença (1936), a aceitação e o crescimento (2006) de uma comunidade evangélica a mais de setenta anos numa região predominantemente católica fez surgir a idéia deste projeto. A referente pesquisa é sobre a instalação do grupo evangélico Batista Regular na região do Cariri cearense, mas especificadamente nas cidades de Juazeiro do Norte, Barbalha e Crato. As razões de ter-se escolhido estas três cidades da região do Cariri cearense foram: suas proximidades geográficas. As três cidades formam um triângulo geográfico chamado de CRAJUBAR, com a distância de nove ou dez quilômetros uma da outra. As três cidades são ligadas por um sistema de transporte que irá propiciar ao pesquisador da região um deslocamento sem dificuldades. Outra razão surge do próprio grupo Batista Regular que é bastante homogêneo nestas três cidades. São dezessete igrejas distribuídas nas três cidades, um seminário de formação de pastores e missionários e um colégio de ensino fundamental e médio. Foi também nestas três cidades que se deram os embates mais fervorosos entre católicos e protestantes. Diante deste quadro religioso da região caririense, pode-se pensar que a inserção de uma religião diferente despertaria uma reação contrária por parte da população que era extremamente católica e devota do santo Pe. Cícero. A resistência à nova religião na cidade de Juazeiro do Norte e região não foi um fator exclusivo do povo, mas tomaram parte também da resistência autoridades políticas e os intelectuais que formavam a elite da região, e que dispunham de poder sobre as massas.

Autora: Edianne dos santos Nobre
O espaço Sagrado em Juazeiro e a teatralização do mundo: espaços de purgação e devoção


No projeto de pesquisa que desenvolvemos no curso de Mestrado nos propomos a analisar os depoimentos de nove mulheres do interior cearense presentes em um processo episcopal do final do século XIX. Esses depoimentos narram uma série de ‘fenômenos sobrenaturais’ que atribuíam ao povoado de Juazeiro a função de uma “nova Jerusalém”. Neste sentido, o principal objetivo de nosso projeto de dissertação é investigar as formas pelas quais esse espaço foi percebido e apresentado, tentar compreender quais elementos informaram a invenção de Juazeiro, no sul do Ceará, como um território sagrado. Neste trabalho nos preocupamos em discutir o aporte conceitual da nossa pesquisa, qual seja, o conceito de espaço sagrado que é um conceito fundamental para entendermos a construção de Juazeiro nos depoimentos femininos. Além disso, outras questões se apresentam: O que chamamos de espaço sagrado? Porque dizemos que os depoimentos elegem Juazeiro como espaço sagrado? Que contexto histór ico permite a emersão de um fenômeno que consideramos como ‘inaugurador’ de um espaço sagrado? A partir dessas inquietações, inferimos ainda que as narrativas femininas fazem uma analogia entre o espaço do Juazeiro e o Purgatório. Neste sentido, discutimos também a partir de quais premissas o espaço de Juazeiro assume nos relatos, uma função de lugar purgatório, onde através de certas penitências é possível obter a salvação, sendo ainda marcado pela visita de almas que buscam sufrágio ou pelas viagens espirituais das beatas ao Purgatório.